(11) 4552-3020 [email protected]

      Golpe do Pix agendado!

       

      Pix, serviço digital que facilita a transferência e pagamentos por meio de uma chave, está sendo cada vez mais utilizado entre brasileiros. Com ritmo de uso acelerado, criminosos também criaram golpes em torno da ferramenta; um deles é conhecido como golpe do Pix agendado, em que golpistas usam uma transferência falsa como isca para pedir dinheiro à vítima.
      Golpistas abordam vítima com Pix agendado por engano

      Os criminosos agendam uma transferência e depois entram em contato com a vítima informando que a fizeram por acidente. Eles pedem que a pessoa devolva o valor depositado, sempre por motivos de urgência.

      Mas na verdade o dinheiro nunca foi depositado na conta da vítima. Quando ela transfere o valor de volta ao golpista, ele encerra o agendamento e fica com o valor.

      Portanto, se o usuário receber uma notificação de um estranho alertando que depositou dinheiro na sua conta, tome cuidado: pode ser um golpe. A vítima não tem acesso a um extrato comprovando o Pix agendado — essa mentira é usada para criminosos abordarem a pessoa.

      Em cartilha divulgada na quinta-feira (17) a Polícia Civil de Santa Catarina (SC) alerta que só por que a mensagem do criminoso não comprova o deposito do Pix. É preciso desconfiar dos valores depositados, verificar o extrato do banco, e não devolver a transação no mesmo dia.

      Agendar um Pix é um recurso que faz parte do serviço desde seu lançamento, em novembro de 2020. Entretanto, a partir de setembro deste ano, todas as instituições financeiras que adotam a ferramenta serão obrigadas pelo Banco Central (BC) a dispor da função de agendamento. O objetivo é permitir que todos possam programar pagamentos instantâneos.

      A recomendação para vítimas do golpe é coletar o máximo de informações sobre o criminoso – comprovante do Pix agendado e número de celular — e enviá-las às autoridades. Para quem cai no golpe em SC, a Polícia Civil catarinense recomenda o uso do Disque Denúncia – 181 – da região, ou entrar em contato pelo número (48) 98844-0011 no WhatsApp.

      Corrente de WhatsApp sobre golpe do Pix é boato

      Corrente de WhatsApp recebida por usuários no Twitter (Imagem: @deolhoembelempa/Twitter)

      Corrente de WhatsApp recebida por usuários no Twitter (Imagem: @deolhoembelempa/Twitter)

      Uma mensagem sobre o golpe do Pix agendado começou a circular no WhatsApp nesta semana, sobre como uma vítima teria caído na armadilha dos criminosos.

      O conteúdo da mensagem é o seguinte:

      “Ontem la no trabalho a tarde minha colega recebeu um pix de 250 reais mas estava na opção agendada. Ela ficou sem entender, de quem tinha feito, logo em seguida ela recebeu um zap de uma pessoa desesperada falando que tinha feito um pix errado e caiu na conta dela, e se ela podia devolver com urgência pq alguém dela estava esperando esse dinheiro.
      Minha colega na hora ficou tão aflita devido o desespero da pessoa que quase transferia, mas ainda bem que estávamos com ela pois tinha um grande detalhe: Pix agendado para o dia 15 no caso ia cair hoje, então percebemos que isso é um novo golpe, então falamos para ela, para dizer a pessoa que iria devolver mas quando o dinheiro estiver na conta dela, pois ainda estava agendado! Pois o dinheiro não entrou e a pessoa bloqueou ela Então fique atentos é o novo golpe!!! *Recebi em outro grupo* *Fiquem espertos*”

      Apesar de ser possível usar a função de agendamento para golpe, o site de verificação Boatos.org diz que essa mensagem tem elementos característicos de correntes falsas que circulam pelo app de mensagens.

      A mensagem não comprova o ocorrido por meio de Boletim de Ocorrência ou outros documentos oficiais. Além disso, os verificadores descobriram que ao enviar um Pix agendado para contas dos bancos Inter, Bradesco e Caixa, o extrato apareceu apenas na conta de quem mandou o dinheiro. Ou seja, a vítima não seria informada da transação por sua conta, como diz o texto encaminhado.

      Fonte: Tecnoblog

      Com informações: NubankPolícia Civil de SC e Boatos.org